RBC | Portal de Notícias e Entretenimentos

Entenda as linhas da acusação que pode condenar Donald Trump nos EUA

Entenda as linhas da acusação que pode condenar Donald Trump nos EUA
Promotores de Manhattan dizem que ex-presidente fez pagamentos clandestinos à mulheres que alegaram ter tido casos extraconjugais com Donald Trump

Em uma acusação criminal inédita contra um ex-presidente dos Estados Unidos, os promotores de Manhattan estão acusando Donald Trump de falsificar registros comerciais com a intenção de ocultar conduta ilegal relacionada à sua campanha presidencial de 2016.

As acusações criminais decorrem da investigação do procurador distrital de Manhattan, Alvin Bragg, sobre pagamentos clandestinos, feitos durante a campanha de 2016, a mulheres que alegaram ter tido casos extraconjugais com Trump, o que ele nega.

Trump “falsificou repetidamente e de forma fraudulenta registros comerciais de Nova York para ocultar conduta criminosa que ocultou informações prejudiciais do público votante durante a eleição presidencial de 2016”, segundo os documentos de acusação divulgados na terça-feira.

Cada acusação criminal que Trump enfrenta está relacionada a uma entrada específica entre os registros comerciais da Organização Trump.

Trump se declarou inocente de todas as acusações na terça-feira.

Veja a análise das acusações e evidências apresentadas contra Trump na acusação e nos documentos do tribunal:

Esquema de influência eleitoral “ilegal” de Trump como suporte para acusações criminais

Uma questão importante era se Bragg acusaria Trump de um crime e como ele faria isso, já que falsificar registros comerciais – infração pela qual Trump é acusado 34 vezes – é uma contravenção, a menos que os promotores possam provar que os registros foram falsificados com o intenção de cometer ou ocultar outro crime.

A nova declaração de fatos apenas sugere a abordagem que Bragg está adotando, mas o promotor expôs sua teoria legal com mais clareza durante uma entrevista a jornalistas após a acusação.

Bragg disse que os registros comerciais foram falsificados em 2017 com a intenção de ocultar condutas criminosas relacionadas à campanha de 2016. Ele fez referência a uma lei do estado de Nova York que torna crime conspirar para promover uma candidatura por meios ilegais.

Bragg não está acusando Trump de violação da lei eleitoral ou de conspiração relacionada a essa suposta conduta relacionada à campanha. A acusação diz que, para todas as 34 acusações, Trump teve a “intenção de fraudar e cometer outro crime e ajudar a ocultar sua prática”.

A declaração dos fatos explica que Trump supostamente orquestrou um esquema “ilegal” com outros para “influenciar a eleição presidencial de 2016” e que outros participantes do esquema admitiram “cometer conduta ilegal em conexão com o esquema”.

Especificamente, a declaração de fatos faz referência à confissão de culpa do ex-advogado de Trump Michael Cohen no caso de financiamento de campanha federal que foi processado em 2018 e às confissões da American Media, Inc (AMI) – a editora da publicação National Enquirer – no acordo de não acusação que alcançou no processo investigação federal.

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe!